Menu

Quem foram os Maiores Fiascos do Futebol Brasileiro?

Já fazem algumas décadas que o mundo do futebol é cercado de fama, glamour e muito, mas muito dinheiro, e como tudo que envolve muito dinheiro, o futebol também tem seus grandes fiascos e decepções.

Desde jogadores que custaram milhões e não renderam nada, até treinadores que estavam super bem cotados e acabaram decepcionando feio, mostraremos aqui as maiores decepções do futebol no Brasil. É claro que não poderia faltar o maior dos fiascos de todos os tempos do futebol, que você já deve desconfiar qual é… mas não darei mais spoilers.

Confira nossa lista dos maiores fiascos do futebol brasileiro!

Os maiores fiascos financeiros – Transferências caras que não valeram a pena

É normal escutarmos casos de jogadores cujo passe vale milhões de dólares, e muitas vezes nem imaginamos o valor do salário desses caras. Mas na maioria das vezes, esses jogadores de passe milionário chegam no time e fazem valer o investimento.

Neymar no PSG, por exemplo, foi a transferência mais cara da história (222 milhões de euros), mas o jogador foi protagonista no título francês conquistado em 2019. Mesmo se pensarmos em Philippe Coutinho, adquirido pelo Barcelina por 120 milhões de Euros em 2018, apesar de ter se lesionado logo que chegou ainda foi um futebolista decisivo para o time do Barça.

Mas o futebol tem jogadores e história demais paraque todos passem ilesos. O que não faltam são casos de jogadores muito caros que não valeram nem um pouco a pena, e alguns brasileiros se enquadram nesta categoria.

Alexandre Pato, comprado por R$42 milhões de reais pelo Corinthians em 2013, foi uma das maiores decepções dentro do território nacional. Não apenas com os corintianos esperando muito mais das atuações do jogador, mas com todos os amantes e apreciadores do bom futebol igualmente decepcionados com a falta de presença do jogador em campo. O jogador acabou sendo emprestado por dois anos para um dos maiores rivais do timão: o São Paulo, onde marcou 38 gols em 101 jogos. Uma média até que boa, mas ainda assim, um péssimo negócio para o coringão.

Ainda no futebol nacional, mas voltando um pouco no tempo, vemos que o Cruzeiro é um time que quebrou muito a cara ao longo da história com contratações que acabaram decepcionando. Começando por Edmundo, contratado pela equipe em 2001 com a promessa de reforçar o ataque da equipe mineira. O “Animal”, cheio de problemas de indisciplina, causou instabilidades graves no elenco e fez apenas 6 gols em 15 partidas, chegando até a dizer que perdeu um pênalti de propósito contra o Vasco, seu time do peito.

Também no Cruzeiro, Rivaldo foi outro jogador de classe mundial que decepcionou ao passar pela equipe mineira. Com 32 anos, mas ainda em forma e com muita técnica, Rivaldo foi contratado pelo Cruzeiro em 2003, mas durou apenas um mês no clube. Marcou dois gols em 11 jogos. Na verdade, Rivaldo saiu porque se demitiu ao saber que o técnico Vanderlei Luxemburgo havia sido despedido um dia antes de um clássico contra o Atlético. Rivaldo então foi jogar no futebol grego e deixou os cruzeirenses na vontade!

Os maiores fiascos de treinadores – Técnicos de quem todo mundo esperava mais

Em 2018, o Fluminense contratava Marcelo Oliveira para substituir Abel Braga, que havia pedido demissão. O técnico chegou à equipe fortalecido, tendo antes boas passagens pelo Coritiba, Vasco, Cruzeiro, Palmeiras e Atlético Mineiro. Em seu vasto currículo tinha a Copa do Brasil de 2015 com o Palmeiras,  além do bicampeonato brasileiro e um campeonato mineiro conquistado com o Cruzeiro. Tudo indicava que Marcelo tiraria o Flu do buraco, mas aconteceu justamente o contrário: com Oliveira no comando, o Fluminense teve a pior série de derrotas da história do clube, com oito jogos sem vitórias e nem sequer um gol marcado!

Entre os técnicos da seleção brasileira, a verdade é que também temos alguns nomes que podem ser mencionados. Entretanto, a honra ao mérito nesse caso não poderia ir para outro treinador que não o Dunga, um dos maiores fiascos da seleção brasileira de todos os tempos. Não era ele que estava à frente do 7 a 1, isso é verdade, mas substituiu muito mal o Felipão, quase perdendo lugar na Copa de 2018 por conta do mau desempenho no início das eliminatórias.

Não temos como deixar de mencionar o supercampeão São Paulino e goleiro aposentado Rogério Ceni, que jogou a vida toda pelo São Paulo e conquistou mais títulos que qualquer outro jogador do clube. São 22 títulos no total, 16 deles em torneios oficiais e mais 3 títulos na época em que jogava na categoria de base. Porém, sua trajetória como treinador tem sido repleta de decepções até agora. Até que manteve uma boa média de jogos ganhos à frente do Fortaleza, mas fez muito feio no Cruzeiro e agora está tentando convencer no Flamengo, mas sem sucesso por enquanto.

O maior fiasco de todos: a derrota por 7 a 1 para a Alemanha em casa

Se os mais idosos ainda se recordavam com vergonha e tristeza a final da copa de 1950, quando o Brasil perdeu para o Uruguai por 2 a 1 de virada em pleno Maracanã, com certeza a experiência da Copa do Mundo de 2014 traumatizou suas vidas muito mais, a ponto de esquecerem do Maracanaço e terem agora memória apenas para o Mineiraço.

Isso porque, ao contrário da vitória magra e sofrida do Uruguai em 1950, em 2014 o Brasil tomou incríveis 7 gols da Alemanha, conseguindo marcar um único golzinho de honra no último minuto da partida. Um 7 a 1 quebrou todos os recordes de gols numa semi-final de Copa do Mundo, e o que era pior: o Brasil era o país sede daquele ano. Com 58 mil pessoas assistindo atônitas ao maior fracasso de todos os tempos, esse dia deve ficar marcado para sempre na história como o maior fiasco de todos os tempos do futebol e até, quem sabe, do esporte mundial!